Presidente do PR PR nos estados Manchetes Download Hino Nacional do Brasil
História do PR Fale com o PR Notícias Republicanas Manual de Aplicação da Marca PR
Prefeituras do PR Ficha de Filiação ao PR Fotos dos Deputados do PR Assessoria Jurídica
Vereadores do PR Fórum Republicano Fotos dos Senadores do PR Vinheta do PR
Estatuto do Partido da República Manifesto do Partido da República Código de Ética do Partido da República Programa do Partido da República
 

Notícias do Correio 22 - Partido da República

 
  19/08/2011
   
Luciano Castro (PR/RR), Cândido Vaccarezza (PT/SP) e ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos
Luciano Castro (PR/RR), Cândido Vaccarezza (PT/SP) e ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos . Foto: Alessandra Fonseca
O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, voltou a negar nesta quarta-feira, seu envolvimento em supostos esquemas de corrupção na pasta. Em audiência pública na Câmara dos Deputados, Passos repetiu boa parte de seu depoimento ao Senado na terça-feira (16) e negou também a existência de superfaturamento e irregularidades nos aditivos referentes a contratos de obras nas estradas, sob responsabilidade do DNIT. O deputado Luciano Castro acompanhou a audiência pública e ficou satisfeito com as explicações do ministro dos Transportes:

"O ministro Paulo Sérgio Passos demonstrou um amplo conhecimento das atividades do Ministério dos Transportes, e explicou claramente que são mais de 1000 contratos e obras em execução em todo o país.
Além de deixar claro, a transparência com que age o Ministério dos Transportes, ele esclareceu tanto aos deputados membros do governo, quanto da oposição, de forma muito clara e transparente. Passos demonstrou que está apurando as possíveis irregularidades, porque até agora não há nenhuma materialidade que confirme as denúncias na pasta do Ministério dos Transportes. Estamos confiantes. E sob a administração do ministro Paulo Sérgio nós vamos ter condição de dar uma continuidade ao trabalho do Ministério dos Transportes". (Luciano Castro)

Confira a matéria completa da Agência Câmara sobre a audiência pública com o ministro Paulo Sérgio Passos:

Ministro dos Transportes nega irregularidades nos contratos da pasta


O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, voltou a negar nesta quarta-feira seu envolvimento em supostos esquemas de corrupção na pasta. Em audiência pública na Câmara, Passos repetiu boa parte de seu depoimento ao Senado na terça-feira (16) e negou também a existência de irregularidades nos aditivos referentes a contratos de obras da pasta, o que seria visto como superfaturamento para beneficiar integrantes do PR.

Os aditivos são recursos que permitem o aumento de custo de uma obra em andamento. Paulo Passos explicou, no entanto, que eles são previstos na Lei das Licitações, e os poderes públicos utilizam a prerrogativa. "Entre 2007 e 2010, foram celebrados cerca de 3.002 aditivos contratuais. Desses, 1.469 se referiam a prazo ou redução de valor. O valor dos acréscimos correspondeu a R$ 3,1 bilhões, isso representa 8% da carteira de contratos do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes)", afirmou Passos. Segundo o ministro, a carteira de contratos do Dnit passou de R$ 25 bilhões em 2007 para R$ 37 bilhões em 2010; de 1.065 contratos para 1.352 contratos.

Passos informou que os órgãos públicos contratam obras baseados em projetos base, que muitas vezes não são bem elaborados, o que gera uma diferença entre o valor contratado e o final. Os aditivos, disse, surgem a partir da identificação de ajustamentos de adequação em obras por necessidades técnicas. Nesses casos, um relatório é elaborado e passa por diversas instâncias, até que o aditivo seja autorizado pela diretoria do órgão.

Na opinião do líder do PSDB, deputado Duarte Nogueira (SP), essa forma de contratação indica uma falta de planejamento no ministério, uma vez que os contratos são feitos em cima de projetos que justificariam aditivos. Passos reconheceu que há falhas no ministério, mas se comprometeu com a reengenharia do órgão, com a instituição também de uma diretoria técnica no Dnit e na Valec e a contratação de engenheiros.

Obras do PAC

Em relação ao aumento do valor global, de R$ 56 bilhões para R$ 72 bilhões, na expectativa dos investimentos necessários para concluir obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o ministro explicou que algumas obras do programa tiveram adequação de capacidade. Em alguns casos de rodovias, o governo resolveu fazer a duplicação; em outros, precisou contornar reserva indígena, por exemplo.

"Tivemos de refazer projetos de engenharia, de estudos ambientais, recontratar construções", disse. "Tudo o que se faz do ponto de vista de Orçamento passa pelo Congresso Nacional. Não vai ser diferente com os projetos do PAC."

Fiscalização do TCU

O ministro ressaltou ainda que vem diminuindo ano a ano o número de obras com irregularidades graves, sujeitas a paralisação, apontadas por fiscalização do Tribunal de Contas da União (TCU). Para o exercício de 2008, por exemplo, o TCU apontou 34 obras como irregulares, e o Congresso Nacional entendeu que 21 delas deveriam estar sujeitas a paralisação. Para o exercício de 2011, o número de obras sujeitas a paralisação caiu a 0, segundo avaliação do Congresso.

A reunião foi promovida em conjunto pelas comissões de Viação e Transportes; e de Fiscalização Financeira e Controle.



Fonte: Márcia Regina Coser
Assessoria de Imprensa do Deputado Luciano Castro com Agência Câmara
   




LEAD         TVNEWSWEB

Site Desenvolvido pela LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing

SCN Qd. 2 Bl. D Torre A Sala 225 Brasília - DF - CEP: 70712-904

http://www.leadbrasilia.com.br/

http://www.tvnewsweb.com.br/

© - 2007 www.partidodarepublica.org.br - Todos os direitos reservados

SHS quadra 6 Bloco A sala 903 - Brasil 21 . CEP: 70.316-102 - Asa Sul . Brasília-DF



Tel.: - (61) 32029922



Mais uma realização do Instituto Alvaro Valle Tel.: - (61) 32029922