Esta Matéria não tem vídeo
Vice-presidente da Câmara dos Deputados, deputado Marcelo Ramos (PL-AM)
Vice-presidente da Câmara dos Deputados, deputado Marcelo Ramos (PL-AM)
Esta Matéria não tem 
vídeo

 

Marcelo Ramos

critica postura do governo
em relação aos precatórios


Brasília - O vice-presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) disparou contra o governo, apontando contradições na postura sobre os precatórios.

Os disparos do liberal foram publicados em entrevista concedida ao CB.Poder, parceria entre o Correio Braziliense e a TV Brasília, na edição desta quarta-feira, 29.

“O mesmo governo que reclama de pagar R$ 89 bilhões de precatórios, cujo Poder Judiciário reconheceu que deveria pagar em 2022, é o mesmo que recebeu R$ 80 bilhões em decisões judiciais no ano passado”, afirma o liberal amazonense na entrevista.

“Sob a lógica do credor, é um calote, pois o governo tem que pagar e diz que não quer. E sob outra lógica, é uma pedalada fiscal”, critica o parlamentar em relação a estratégia para saldar as dívidas.

Questionado sobre como está a negociação dos precatórios, o vice-presidente criticou a decisão do governo, que reclama de ter que pagar R$ 89 bilhões de precatórios, mas recebeu R$ 80 bilhões em decisões judiciais no ano passado, e quer pegar o montante para pagar os R$ 89 bilhões, em 2022.

“O mesmo governo que reclama de pagar R$ 89 bilhões de precatórios, cujo Poder Judiciário reconheceu que o governo deveria pagar em 2022, é o mesmo que recebeu R$ 80 bilhões em decisões judiciais no ano passado. Então recebe esse valor e não quer pagar os R$ 89 bilhões”, disparou.

Íntegra da entrevista ao Correio:

Como está a negociação dos precatórios?

O mesmo governo que reclama de pagar R$ 89 bilhões de precatórios — cujo Poder Judiciário reconheceu que o governo deveria pagar em 2022 — é o mesmo que recebeu R$ 80 bilhões em decisões judiciais no ano passado. Então recebe esse valor e não quer pagar os R$ 89 bilhões. Dentro dos precatórios, R$ 19 bilhões do fundo de Educação, dos quais 60% devem ser revestidos para pagamento de abono para professores. Qual o problema? É que o governo quer pegar o montante para pagar os R$ 89 bilhões, no ano que vem, fazendo o seguinte: ou parcelar em 10 vezes, pagando 15% disso. Ou pagar R$ 40 bilhões, referente ao valor dos precatórios de 2016, deixando R$ 50 bilhões para uma negociação compulsória, onde o credor é obrigado a receber uma ação de estatal ou imóvel da União; ou compensar com um débito tributário com a União, e o resto deixar para os anos seguintes.

O que significa isso?


Isso, sob lógica do credor, é um calote, pois o governo tem que pagar e diz que não quer. E sob outra lógica, é uma pedalada fiscal, porque precatório é despesa obrigatória — que se empurrada de um ano para outro, junta com outras despesas. Isso gera insegurança jurídica para o país.

Qual a solução?


Aponto o seguinte: R$ 40 bilhões seriam pagos considerando o valor dos precatórios de 2016, atualizado até 2022, e com base no IPCA. O teto de gastos é o valor que se gastou com despesa discricionária no ano anterior mais a inflação de julho a junho. A inflação de junho a julho dá 6,27%, o que abre no teto de gastos mais R$ 24 bilhões. A dívida (precatórios) é de aproximadamente R$ 89 bilhões. Então os R$ 40 bilhões, somados aos R$ 24 bilhões, resultam em R$ 64 bilhões. Assim, sobram R$ 26 bilhões, dos quais, conforme minha proposta, seriam pagos fora do teto de gastos, com o governo emitindo o título da dívida pública. Isso é furar o teto de uma forma transparente, sem dar calote e com segurança jurídica. A solução para o problema é o pagamento total do precatório.

É correto o discurso do governo, que acusa os governadores de não baixar ICMS e contribuir para o alto preço da gasolina?

É importante entender que o problema não está concentrado nos combustíveis. O Brasil tem um descontrole da inflação, cuja previsão é chegar, aproximadamente, a 9,25% ao fim deste ano. Muito acima da meta estabelecida e por erros na política econômica do governo. Quando se recorta a inflação nos itens mais sensíveis no bolso do cidadão — combustível, gás de cozinha, cesta básica e energia —, ela está ainda mais alta. Não dá para culpar governadores em relação à questão dos combustíveis.

Por quê?


O ICMS, nos 27 estados da Federação, é um percentual que incide sobre o preço do combustível. Vamos supor que o ICMS seja de 20%, e o combustível está a R$ 2. Então o imposto fica a 0,40 centavos. O ICMS só aumenta para R$ 1 se o combustível passar de R$ 2 para R$ 5. O ICMS aumenta quando o combustível fica mais caro. O encarecimento ocorre, pois a Petrobras continua praticando a mesma política de preço, que é lastreada no dólar e a custo internacional.

Fonte: Correio Braziliense : CB.PODER: Marcelo Ramos vê contradições do governo em relação aos precatórios (correiobraziliense.com.br)




Provérbios LIBERAR O CMOMÉRCIO DE ARMAS DE FOGO

 
   
 
 
 
 
<
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site e Conteúdos Desenvolvidos, Produzidos e sob Responsabilidade da LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
Brasília, 26/05/2021 - PL-TV: O Rio em mãos do bem - Entrevista Cláudio Castro

TV-PL: Líder Liberal rechaça tese do "toma lá dá ca" em entrevista 
Brasília, 28/12/2020 - PL-TV: Portinho é convidado a assumir Liderança do PL no Senado
Nova Presidente do PL Mulher
Presidente do Partido Liberal, Tadeu Candelária (PL-SP)
Veja aqui todos os nossos vídeos e nossas reportagens

Secretaria de Comunicação do Partido Liberal
FICHA DE FILIAÇÃO EM PDF Deputados Federais do Partido Liberal da 56ª Legislatura
Senadores do Partido Liberal Veja todas Notícias no Facebook Veja nossos Vídeos no Youtube
  <area shape= Veja nossos Vídeos no Youtube Veja nossos Vídeos no Youtube veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram