PL-TV:

Câmara debate PL de Marcelo Ramos que cria
regras para compra e venda de créditos de carbono


Brasília - O secretário-adjunto de Clima e Relações Internacionais do Ministério do Meio Ambiente, Marcelo Donnini Freire, recomendou na última sexta-feira, 17, que a Câmara dos Deputados aguarde os resultados da Conferência da ONU sobre Mudança Climáticas para depois regulamentar o mercado de carbono no Brasil. A COP-26 está prevista para ocorrer na Escócia entre 1° e 12 de novembro e tem a regulação do mercado internacional de carbono como uma das prioridades.

A Câmara analisa a proposta (PL 528/21), de autoria do vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), de criação do Sistema Brasileiro de Comércio de Emissões (SBCE), que, na prática, regula o mercado nacional. O texto já foi aprovado na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara e está incluído na chamada “pauta sustentável” para possível aprovação antes da conferência climática.

Em audiência na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, onde o projeto está em exame no momento, Donnini Freire reconheceu que o tema é relevante para o desenvolvimento da economia de baixo carbono e para a redução das emissões de gases do efeito estufa. No entanto, pediu “prudência” na tramitação da proposta.

“Proposições como essa são muito importantes e devem avançar, mas, por uma simples questão de lógica, prudência e precaução, deve-se aguardar o retorno das definições que ocorrerão na COP-26”, disse Freire. Precisamos trabalhar para ter uma legislação coerente ao conjunto de regras internacionais, para não incorrermos no risco de produzirmos uma lei inexequível.”

O representante do Ministério do Meio Ambiente declarou que o Brasil terá posição “proativa e construtiva” na discussão desse tema na COP-26.

Período de transição


Já o autor da proposta de regulação do mercado brasileiro de carbono, o deputado Marcelo Ramos, argumenta que o tema se impõe independentemente do poder público e que seu projeto de lei prevê um período de transição plenamente ajustável às decisões internacionais que vierem a ser tomadas na Escócia.

“Que a gente tire da frente esse falso fantasma de ter um mercado regulado antes da COP. Nós temos um processo de transição de cinco anos para que a nossa regulamentação seja absolutamente coerente com o pactuado na conferência”, comentou. “Para que tenha quem compre, precisamos de mecanismos de certificação que dialoguem com mercados internacionais já mais avançados e consolidados do que o nosso”, avalia o deputado.

O parlamentar informou que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), anunciou a criação de um “grupo de diálogo” sobre o tema. Há também reunião prevista de Marcelo Ramos com o presidente do Banco Central (possivelmente na próxima semana), Roberto Campos Neto.

Empresas

No setor empresarial, há consenso quanto às chances de oportunidades financeiras para o País, mas também existe divergência sobre o momento e o alcance da regulação.

A gerente de Clima e Finanças Climáticas do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Natália Renteria, defendeu uma emenda apresentada pelo deputado Zé Vitor (PL-MG) que, segundo ela, vai permitir a regulamentação equilibrada dos mercados regulado e voluntário de carbono.

“Quando a gente organiza a trajetória de carbono neutro, evitam-se barreiras comerciais de cunhos climáticos que, inclusive, já foram anunciadas pela União Europeia como uma possibilidade. Precificar carbono e caminhar na agenda desses mercados não é uma opção para o Brasil, mas uma necessidade. A mudança mundial já está em curso, e o País não pode ficar fora disso”, sustentou Natália.

Movimentos sociais

Por outro lado, a Organização Internacional GRAIN e o Grupo Carta de Belém, integrado por movimentos sociais, sindicais e ONGs, apontaram uma série de questionamentos aos modelos nacional e internacional de mercado de carbono.

Uma das preocupações é quanto à eficácia do sistema de limites e compensações (Cap and Trade), que já teria falhado em experiências passadas de controle de chumbo e de dióxido de enxofre, causador de chuva ácida nos Estados Unidos.

Integrante da organização GRAIN, a advogada socioambiental Larissa Packer fez alertas de riscos de inconstitucionalidade na inclusão de áreas já protegidas, como as áreas de proteção permanente (APPs) e reservas legais, no cálculo do mercado de carbono. Outro receio dela é em relação à devida remuneração pelos serviços prestados por comunidades tradicionais com cultura e tradição devidamente alinhadas com a proteção florestal.

“Os principais fornecedores desse possível mercado de carbono são os pequenos produtores, agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais. Então, isso tem que ser muito bem ajustado”, afirmou. “A outra questão é que a maior parte do dinheiro que vem para esses pequenos produtores vai para empresas de consultoria que vão fazer o MRV. Então, fica uma situação que dá até nulidade de contrato.”

O MRV, citado por Larissa Packer, é a sigla de Monitoramento, Relatório e Verificação, uma espécie de contabilidade das emissões de gases do efeito estufa.

Commodity

Consultor da área de meio ambiente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rodrigo Justus de Brito manifestou preocupação com os riscos de taxação extra para o setor.

Já o gerente-executivo de meio ambiente e sustentabilidade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Davi Bomtempo, disse que o segmento vê o gás carbônico como “nova commodity mundial” e traçou uma estratégia na direção da transição para economia de baixo carbono baseada em quatro eixos prioritários: transição energética, precificação de carbono, economia circular e conservação florestal.

Durante a audiência, o diretor do Departamento de Ciências da Natureza do Ministério de Ciência e Tecnologia, Márcio Rojas, manifestou apoio da pasta à regulamentação do mercado de carbono no Brasil, sobretudo diante dos alertas do IPCC, o Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas, quanto aos riscos de o Brasil ter aumento da temperatura acima da média global.

Íntegra da Proposta:
PL 528/21

Fonte: Agência Câmara de Notícias




Provérbios LIBERAR O CMOMÉRCIO DE ARMAS DE FOGO
Alvaro Valle

 
   
 
 
 
 
<
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site e Conteúdos Desenvolvidos, Produzidos e sob Responsabilidade da LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
Brasília, 26/05/2021 - PL-TV: O Rio em mãos do bem - Entrevista Cláudio Castro

TV-PL: Líder Liberal rechaça tese do "toma lá dá ca" em entrevista 
Brasília, 28/12/2020 - PL-TV: Portinho é convidado a assumir Liderança do PL no Senado
Nova Presidente do PL MUlher
Presidente do Partido Liberal, Tadeu Candelária (PL-SP)
Alvaro Valle
Veja aqui todos os nossos vídeos e nossas reportagens

Secretaria de Comunicação do Partido Liberal
FICHA DE FILIAÇÃO EM PDF Deputados Federais do Partido Liberal da 56ª Legislatura
Senadores do Partido Liberal VEJA NOSSO FACE
Veja nossos Vídeos no Youtube
  <area shape= Veja nossos Vídeos no Youtube Veja nossos Vídeos no Youtube veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram BAIXE O VÍDEO EM WMV
BAIXE O VÍDEO EM MOV
VEJA O VÍDEO NO YOUYUBE BAIXE O VÍDEO EM MP4 BAIXE O VÍDEO EM MOV BAIXE O VÍDEO EM FLV