Esta Matéria não tem vídeo
Líder do PL no Senado, senador Carlos Portinho (PL-RJ)
Líder do PL no Senado, senador Carlos Portinho (PL-RJ)
Esta Matéria não tem 
vídeo

 

Líder liberal

defende mais rapidez na
vacinação contra a covid-19


Brasília - Em entrevista à coluna do Sidney Rezende no jornal "O Dia", na edição do último domingo, 21, o líder do PL no Senado, senador Carlos Portinho (PL-RJ) falou dos projetos que defendem no Congresso.

O liberal defendeu também mais rapidez na vacinação contra a Covid-19. “Quanto mais rápida a vacinação, mais rápido será a liberação do comércio. O interesse é de todos e o esforço precisa ser conjunto”.

O jornal destacou a trajetória política do liberal, que ainda tem mais 6 anos de mandato pela frente e aborda temas apresentados por ele no Congresso Nacional de interesse do Rio de Janeiro, além de cargos assumidos por ele , como o de secretário municipal de Habitação do Rio e secretário estadual de Meio Ambiente.

Leia abaixo a íntegra da entrevista:

• O senhor assumiu uma cadeira no Senado após a morte do senador Arolde de Oliveira, vítima de covid, ano passado. Essa é a primeira vez que o senhor está em um cargo legislativo. Quais são os principais temas de interesse do Rio de Janeiro que o senhor pretende apresentar no Congresso?

Minha primeira relatoria foi o Marco Legal das Startups, aprovado por unanimidade no Senado é de suma importância para o Rio de Janeiro, como para o país. Precisamos inserir a nossa sociedade no futuro e o futuro é tecnológico. Florianópolis é uma ilha e está melhor posicionada que o Rio de Janeiro. Gera empregos no setor e o seu desenvolvimento urbano está intimamente ligado à tecnologia e a P&D. O Marco Legal das startups dialoga com a juventude e com as cidades, questões que vêm a reboque. Também a nova Lei do Gás e a repactuação da recuperação fiscal dos Estados são temas que nos importam e me dediquei, tanto quanto será, por exemplo, a rediscussão do Pacto Federativo e a partilha dos royalties do petróleo.

• O senhor foi secretário municipal de Habitação do Rio, na gestão anterior de Eduardo Paes, e secretário estadual de Meio Ambiente, no governo Luiz Fernando Pezão. O que aprendeu de positivo e negativo para a posição que ocupa agora no Senado?

Me preparei desde o início para assumir essas responsabilidades. Me especializei em gestão pública e liderança pelo Centro de Lideranças Públicas/SP e a minha formação como advogado contribui agora ainda mais por exercer uma função legislativa neste momento. Minha trajetória política ilustra minhas preocupações com as questões sociais. Vivemos a ausência de lideranças e sobretudo lideranças adaptativas, que tenham a capacidade de liderar a sociedade adaptando ao novo momento que vivemos. Vivi isso em parte na Secretaria de Ambiente quando nos preparamos para chuvas, tempestades e evitar desabamentos e me deparei com a maior seca da história do país, rompendo o momento crítico sem racionamento de água, ao contrário de SP, por exemplo.

• Qual a sua explicação para tantos ocupantes do Palácio Guanabara terem se envolvido em emaranhados policiais e judiciais? Por que tantas autoridades foram presas no Rio de Janeiro?

Como nas nossas casas precisamos varrer diariamente a sujeira, na política não é diferente. Entristece-nos tanta corrupção, prisões etc. Mas sou otimista. Temos que varrer a sujeira, e não para debaixo do tapete como ocorria antes. A realidade política do país dói, chegamos a perder as esperanças. Mas uma transformação é sempre lenta. A cada eleição, se mantivermos viva a memória, e com esses fatos revelados, renovaremos a política, e o mais importante, o modo de fazer política. Somente através do exercício democrático e com a política, será possível alcançar um futuro melhor. Não será pela anarquia ou pelo desinteresse do eleitor.

• O projeto de lei sobre Clube-Empresa está para entrar em votação e o senhor é o relator. Muitos especialistas são críticos a esse projeto ao colocar clubes nas mãos de grupos privados e não solucionar sonegação e endividamento. Qual a sua avaliação sobre isso?

Sonegação e endividamento é justamente a realidade hoje com o modelo atual. O Projeto Clube-Empresa deve criar oportunidades para o mercado e de modo facultativo em respeito à liberdade de associação que é o que estabelece a Constituição Federal. Inserir critérios de governança, transparência, controle das despesas e responsabilidade aos gestores, tornar sedutor o investimento, dar uma resposta ao grande passivo dos clubes, sobretudo o trabalhista, e enxergar finalmente o futebol como o negócio que é, fará bem tanto para o esporte quanto para o país pelo volume de investimentos que poderá atrair, se houver segurança jurídica.

• O Senado aprovou por unanimidade o Marco Legal das Startups, em que o senhor foi o relator. Qual a importância dessa aprovação para essas empresas?

O ecossistema das startups é uma realidade. O Marco Legal vem trazer justamente segurança jurídica ao que já existe. O Brasil, por exemplo, mesmo sem o Marco Legal já é o 3º país no mundo em número de Unicórnios, empresas que nasceram como startups e faturam hoje mais de um bilhão de dólares. Em 2020, o movimento foi superior a 2019, mesmo com a pandemia. O Marco Legal sancionado terá a capacidade de estimular ainda mais o setor da inovação colocando o país definitivamente no futuro. Vai gerar oportunidades para essa juventude com o qual dialoga diretamente. Há recursos aos montes aguardando pela aprovação da lei. Investimentos que poderiam ir para a ciranda financeira e que serão melhor destinados no desenvolvimento de produtos e serviços, o que é o objetivo final dessas empresas, micro e pequenas. Além do mais, regula a relação das startups com os governos. Insere no âmbito da gestão pública a oportunidade de buscar soluções inovadoras também para os seus problemas, impactando no relacionamento com o cidadão e gerando oportunidades para compras públicas de forma mais ágil, com maior concorrência e menos burocracia.

• Os jovens que estão em busca do primeiro emprego vivem o drama da crise econômica, política e o agravamento da pandemia. O que fazer para introduzir este novo contingente na economia formal?

Vivemos a nova era das relações de trabalho. Estamos na transição para o século da tecnologia. A nova geração não dialoga mais com relações formais de emprego. É o que digo ao meu filho: você quer ser aquele que perde horas vidrado no Tik Tok ou quer ser aquele que inventou um novo aplicativo ou game? A nossa juventude precisa de capacitação para esse novo mercado e as profissões do futuro. O interesse deles está aí situado e precisamos liderá-los para isso. O Marco Legal das Startups, por exemplo, confere essa oportunidade. Cabe agora aos governos investirem na evolução do ensino digital e na capacitação. Velhas ferramentas e profissões rígidas não os servem mais.

• Não se tem notícia de nenhuma reunião do governador do estado com a bancada dos senadores do Rio. Por que é tão difícil este alinhamento?

De fato, não nos reunimos em grupo, lamentavelmente. Mas tenho mantido relações (individuais) frequentes a cada semana com o governador e os seus secretários. Na aprovação da repactuação da recuperação fiscal do Estado, por exemplo, estava em linha no Plenário do Senado durante toda sessão diretamente com o governador Cláudio Castro e o secretário de Fazenda. Também sobre a questão Galeão x Santos Dumont, puxei o assunto e temos nos reunido na defesa da maior conectividade do nosso aeroporto internacional. E agora quero tratar da formação dos hubs de tecnologia nas regiões do nosso Estado e, por integrar a Frente Parlamentar pela evolução da educação digital, também inserir na pauta das nossas conversas mais esse tema urgente.

• O povo do Rio enfrenta a criminalidade, crescimento das milícias e fortalecimento do tráfico de drogas. Como vencer este tripé?

O recrudescimento da segurança ostensiva, barreiras de segurança nas ruas, estradas, fronteiras terrestres e no mar, como na baía de Guanabara, em Itaguaí e Mangaratiba, por onde sabidamente entram armas e drogas. Nossas fronteiras são como um queijo suíço. A partir disso, investir em capacitação e atrair o interesse do jovem, no que importa a tecnologia como ferramenta do futuro, gerando mais oportunidades de trabalho. “Cabeça vazia é a oficina do diabo” e temos que mudar isso.

• O combate ao coronavírus liderado pelo Governo do Estado e pela prefeitura do Rio merece mais elogios ou mais críticas? O que o senhor propõe para vencer o vírus?

Melhor comunicação institucional por parte de todos os atores, governo federal, estadual e municipal. Distanciamento físico é eficaz. Distanciamento social é utopia e arrisca a nossa economia. Com a nova lei aprovada no Senado, quando sancionada, precisamos estar preparados para formar consórcios privados, liderados pelo empresariado e instituições, para aquisição de vacinas, conveniando com estados e municípios para, nos termos da lei, o setor privado contribuir na compra, doando metade ao SUS e a outra metade para vacinação dos seus empregados e distribuição de outra parte gratuita para a população. Quanto mais rápida a vacinação, mais rápido será a abertura do comércio. Aí reside o “ganha, ganha” que temos que estimular e nos organizar. O interesse é de todos e o esforço precisa ser conjunto.

• Qual a sua avaliação do Governo Bolsonaro para o Rio de Janeiro?

Até aqui, perdemos a grande oportunidade de ter um presidente do nosso estado que poderia estar desde o princípio do seu mandato trabalhando, todos em cooperação, estado, municípios e Governo Federal. O governador Witzel colocou isso a perder ao anunciar uma candidatura à presidência, mal tendo assumido o seu mandato no Estado, sem dizer ao que veio. Mas ainda há tempo e esperança. Hoje vejo um cenário mais positivo e uma maior aproximação entre o governador Cláudio Castro, o atual prefeito Eduardo Paes, a bancada de parlamentares do Rio de Janeiro e a presidência. Espero que esse movimento não se perca em 2022 em que pese o ano eleitoral que virá. É preciso ter maior responsabilidade com os rumos do nosso estado e da nossa cidade, sobretudo. Precisamos de líderes e políticas de Estado.

Fonte: Jornal o Dia




Provérbios LIBERAR O CMOMÉRCIO DE ARMAS DE FOGO

 
   
 
 
 
 
<
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site e Conteúdos Desenvolvidos, Produzidos e sob Responsabilidade da LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
TV-PR: Tiririca está entre os 10 melhores deputados segundo pesquisa
TV-PL: Líder Liberal rechaça tese do "toma lá dá ca" em entrevista 
Brasília, 28/12/2020 - PL-TV: Portinho é convidado a assumir Liderança do PL no Senado
Nova Presidente do PL Mulher
Presidente do Partido Liberal, Tadeu Candelária (PL-SP)
Veja aqui todos os nossos vídeos e nossas reportagens

Secretaria de Comunicação do Partido Liberal
Deputados Federais do Partido Liberal da 56ª Legislatura
Senadores do Partido Liberal Veja todas Notícias no Facebook Veja nossos Vídeos no Youtube
  <area shape= Veja nossos Vídeos no Youtube Veja nossos Vídeos no Youtube veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram