PL-TV: Proposta liberal

prevê possibilidade de licença-maternidade
de 240 dias com metade do salário


Brasília - Tramita na Câmara dos Deputados Projeto de Lei (nº 5373/20) de autoria do líder do PL na Câmara, Wellington Roberto (PL-PB) e do deputado Jorge Goetten (PL-SC), que propõe licença-maternidade com a regra vigente de 120 dias com salário integral, ou ainda o afastamento por 240 dias com a metade da remuneração.

O texto, que também é de autoria da deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que dispõe sobre a licença-maternidade, e a Lei de Benefícios da Previdência Social, que trata do salário-maternidade.

Os autores defendem na justificativa do projeto que cabe à mãe fazer a ponderação entre os cenários. Segundo eles, muitas não retornam mais ao trabalho ao término do prazo de 120 (cento e vinte) dias por considerar que seus filhos ainda são muito dependentes de sua presença. Outras retornam por considerar que não há outra forma de manter o rendimento familiar.

“A proposta permite que mães ou adotantes tenham mais tempo para os filhos sem o fantasma da demissão ou da perda de rendimentos”, afirmam os autores da proposta.

“Do ponto de vista fiscal, o texto não onera a Previdência Social, uma vez que o somatório dos benefícios mensais será exatamente o mesmo”, continuam. “Para os empregadores, vislumbramos maior possibilidade de retenção dessas profissionais no trabalho”.

Regras atuais

O salário-maternidade é pago aos contribuintes do INSS no momento do nascimento ou adoção do filho. Isso está previsto no artigo 71 da Lei nº 8213/1991, que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social.

O Objetivo é auxiliar as seguradas, para que tenham tempo de dar atenção e cuidados a criança, se recuperar caso tenha sido realizado o parto, e adaptação da nova rotina, sem gerar prejuízos em sua remuneração.

Atualmente o benefício tem duração de 120 dias, porém, é importante lembrar que podem ser acrescentados 60 dias para trabalhadoras em empresas que participam do programa Empresa Cidadã.

A regra geral estabelece os seguintes prazos 120 dias no caso de parto, de adoção de menor de idade ou guarda judicial para fins de adoção, no caso de natimorto (morte do feto dentro do útero ou no parto) e de 14 dias no caso de aborto espontâneo ou previstos em lei (estupro ou risco de vida para a mãe), a critério do médico.

Íntegra da proposta: PL-5373/2020



Fonte: Agência Câmara de Notícias

 




Provérbios LIBERAR O CMOMÉRCIO DE ARMAS DE FOGO
Alvaro Valle

 
   
 
 
 
 
<
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site e Conteúdos Desenvolvidos, Produzidos e sob Responsabilidade da LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
TV-PR: Tiririca está entre os 10 melhores deputados segundo pesquisa
TV-PL: Líder Liberal rechaça tese do "toma lá dá ca" em entrevista 
Manual de Prestação de Contas do Tribunal Eleitoral
Nova Presidente do PL MUlher
Presidente do Partido Liberal, Tadeu Candelária (PL-SP)
Alvaro Valle
Veja aqui todos os nossos vídeos e nossas reportagens

Secretaria de Comunicação do Partido Liberal
Deputados Federais do Partido Liberal da 56ª Legislatura
Senadores do Partido Liberal VEJA NOSSO FACE
Veja nossos Vídeos no Youtube
  <area shape= Veja nossos Vídeos no Youtube Veja nossos Vídeos no Youtube veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram BAIXE O VÍDEO EM WMV
BAIXE O VÍDEO EM MOV
VEJA O VÍDEO NO YOUYUBE BAIXE O VÍDEO EM MP4 BAIXE O VÍDEO EM MOV BAIXE O VÍDEO EM FLV