Esta Matéria não tem vídeo
Deputada federal Flávia Arruda (PL-DF)
Deputada federal Flávia Arruda (PL-DF)
Esta Matéria não tem 
vídeo

 

Artigo deputada

Flávia Arruda:
Enfim, uma esperança


Brasília - ''Para culminar, foi sancionada a Lei 14.029, da qual fui autora. Lei que disponibiliza R$ 1,5 bilhão para a assistência social dos estados, municípios e Distrito Federal. Os recursos podem ser convertidos em cestas básicas e todo tipo de assistência aos mais vulneráveis nessa fase de pandemia''.

Vivemos o período mais difícil da nossa geração. A pandemia, com a doença e a morte rondando nossa cabeça, vitimando amigos e familiares próximos, e com as consequências econômicas e sociais de um período tão atípico, agrava ainda mais o clima de sectarismo que tomou conta de boa parte do planeta.

As redes sociais ampliaram os descontentamentos, e a radicalização se fez presente, renascendo todas as formas de populismo autoritário, à direita e à esquerda, desafiando as instituições e até a convivência social. Mas, aqui no Brasil, quando o pessimismo estava tomando conta do inconsciente coletivo e hipóteses de retrocesso brotavam diariamente em todos os meios de comunicação, eis que surgem sinais muito claros de novas esperanças.

Primeiro, o auxílio emergencial, antes visto com reservas, não apenas foi implantado com sucesso, chegando às famílias mais vulneráveis, como fez renascer um debate importante sobre a viabilidade de um projeto de renda mínima para o país. Até os economistas liberais admitem que a desigualdade social é o nosso grande desafio e já teorizam que um projeto de renda mínima, mesmo com a necessidade de emissão de moeda fora dos parâmetros de lastro convencionais, não teria efeito inflacionário e ainda seria vetor importante de aumento do consumo interno, da produção e da geração de empregos.

Como o auxílio emergencial desnudou as gravíssimas desigualdades sociais, socorrendo mais de 60 milhões de pessoas e como a resposta foi positiva em todos os sentidos, ele não apenas foi prorrogado como provocou um movimento de discussão importante sobre a implementação definitiva, repensando-se e ampliando-se o bolsa família e os benefícios de prestação continuada.

Recentemente, lançamos no Congresso Nacional a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Renda Básica, com parlamentares de 23 dos 24 partidos ali representados, e essa é uma convergência a ser ressaltada numa fase de tantas divergências e radicalismos. Para lembrar o poeta Vinícius de Moraes, “a vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida”.

E, falando em encontros e convergências, outro sinal de esperança é que a frente nasce liderada por dois jovens parlamentares, ambos com 26 anos de idade, Tabata Amaral e João campos. Tabata, de família humilde de periferia, que superou os obstáculos e acabou estudando em Harvard; e João Campos, que superou a morte do pai, Eduardo Campos, e empunha a mesma bandeira de justiça social. Num país em que dois jovens como eles têm assento no parlamento e lideram a discussão de um projeto de tamanha importância, renasce a esperança.

Mas não paramos por aí. No mesmo dia aprovamos o novo Fundeb. Mais uma causa que uniu diferentes espectros da sociedade em um objetivo maior, a valorização da educação. Agora, o Fundeb é constitucional, permanente, de Estado e não de governo, conquista histórica que reconhece que a educação é a principal arma para diminuir as desigualdades sociais. Não por acaso, ressalto a liderança e o trabalho árduo da relatora, uma mulher educadora, Deputada Dorinha.

Essas duas questões já fariam renascer o espírito de otimismo, próprio da formação humana do brasileiro. Mas eis que, na mesma semana, o Ministério da Economia remete à Câmara dos Deputados o projeto de reforma tributária, e o legislativo estabelece diálogo construtivo com o governo federal, com as academias, com o setor produtivo e com outros setores da sociedade organizada. Nasce mais uma saudável discussão de como reconstruir o nosso arcabouço tributário, que hoje é o maior obstáculo ao crescimento econômico e à distribuição de renda.

Para culminar, foi sancionada a Lei 14.029, da qual fui autora. Lei que disponibiliza R$ 1,5 bilhão para a assistência social dos estados, municípios e Distrito Federal. Os recursos podem ser convertidos em cestas básicas e todo tipo de assistência aos mais vulneráveis nessa fase de pandemia. Eu sei que não faltam razões de tristeza nesta hora tão difícil.

Mas sei, também, que o otimismo é contagioso e a melhor forma de sairmos do período de dificuldades é buscando convergências que permitam a construção de um país melhor no pós-pandemia. Esses sinais de otimismo podem ser ponto de inflexão e a base de nova forma de convivência dos que têm responsabilidades com o Brasil e com os brasileiros.

Deputada federal Flávia Arruda (PL-DF)



Artigo publicado no jornal Correio Braziliense




Provérbios LIBERAR O CMOMÉRCIO DE ARMAS DE FOGO

 
   
 
 
 
 
<
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site e Conteúdos Desenvolvidos, Produzidos e sob Responsabilidade da LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
TV-PR: Tiririca está entre os 10 melhores deputados segundo pesquisa
TV-PL: Líder Liberal rechaça tese do "toma lá dá ca" em entrevista 
Manual de Prestação de Contas da Campanha eleitoral de 2018
Nova Presidente do PL Mulher
Presidente do Partido Liberal, Tadeu Candelária (PL-SP)
Veja aqui todos os nossos vídeos e nossas reportagens

Secretaria de Comunicação do Partido Liberal
Deputados Federais do Partido Liberal da 56ª Legislatura
Senadores do Partido Liberal Veja todas Notícias no Facebook Veja nossos Vídeos no Youtube
  <area shape= Veja nossos Vídeos no Youtube Veja nossos Vídeos no Youtube veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram