Esta Matéria não tem vídeo
Presidente do PL Mulher, deputada federal Soraya Santos (PL-RJ)
Presidente do PL Mulher, deputada federal Soraya Santos (PL-RJ)
Esta Matéria não tem 
vídeo

 

Soraya Santos comemora

aprovação de PL que torna essenciais os serviços de
combate e prevenção à violência doméstica


Brasília - A presidente do PL Mulher, deputada federal Soraya Santos (PL-RJ), destacou o Projeto de Lei (nº 1291/2020), aprovado no último dia 21, na Câmara dos Deputados, que torna essenciais os serviços de combate e prevenção à violência doméstica. Os serviços não poderão ser suspensos durante a pandemia de Covid-19.

O projeto também garante medidas protetivas e atendimento presencial para os casos mais graves. As regras valerão para quaisquer serviços e atividades relacionados à violência contra a mulher, contra idosos e contra crianças ou adolescentes.

O texto foi aprovado em forma de substitutivo da deputada Flávia Morais (PDT-GO) ao Projeto de Lei 1291/20, de autoria da deputada Maria do Rosário (PT-RS) e outras 22 integrantes da bancada feminina, de diferentes partidos. “Juntas, reforçamos nosso olhar para a dignidade da pessoa humana, para os invisíveis e menos favorecidos”, ressaltou a parlamentar, por meio de suas redes sociais.

A liberal destacou a atuação da deputada, Flávia Moraes, na escolha de temas, dentro do PL, relacionados às crianças e adolescentes. Ela comentou ainda sobre o que move a bancada feminina. “A bancada feminina, ela pode estar defendendo a área econômica, a área de educação, área da saúde, mas quando envolvem direitos humanos, a dignidade da pessoa humana, ela não tem “p” de partido, ela tem “p” da pessoa”, frisou.

A 1ª secretária da Câmara Federal defende que todos devem seguir fielmente o Art. 5° da Constituição, que traz em seu texto a previsão de que Homens e mulheres são iguais por direitos e deveres. “A gente se pergunta o tempo todo, será que uma mulher tem o direito de ir e vir sem ser importunada? Será que uma mulher pode terminar um relacionamento sem levar um tiro? Será que ela pode pensar diferente e não ter que apanhar?”, questiona a deputada. Para ela, “é nessa hora que os homens e as mulheres têm que se unir para fazer a defesa dessa dignidade é por isso que esse projeto é mais um dos emblemáticos”.

Denúncias

O texto obriga a comunicação às autoridades, em até 48 horas, das denúncias de violência recebidas na esfera federal pela Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência (Ligue 180) e pelo serviço de proteção de crianças e adolescentes com foco em violência sexual (Disque 100).

Em todos os casos, a autoridade de segurança pública deverá assegurar o atendimento ágil às demandas apresentadas e que signifiquem risco de vida e à integridade da mulher, do idoso, da criança e do adolescente.

O governo também deverá promover campanha informativa sobre prevenção da violência e sobre os canais de denúncia disponíveis durante a pandemia.

Rede de atendimento

Segundo a proposta, os órgãos de segurança deverão criar canais gratuitos de comunicação interativos para atendimento virtual de situações que envolvam violência contra a mulher. O atendimento presencial será obrigatório para os casos mais graves.

Pelo texto, se o atendimento presencial não for possível para todos os casos, deverá ser mantido obrigatoriamente para situações que possam envolver: feminicídio; lesão corporal grave ou gravíssima; lesão corporal seguida de morte; ameaça praticada com uso de arma de fogo; estupro; crimes sexuais contra menores de 14 anos ou vulneráveis; descumprimento de medidas protetivas; e crimes contra adolescentes e idosos.

Mesmo diante da pandemia, os institutos médico-legais deverão garantir a realização de exames de corpo de delito quando se tratar de crime que envolva violência doméstica e familiar contra mulher; violência contra criança, adolescente, idoso ou pessoa com deficiência. Os governos poderão criar equipes móveis para atender às vítimas de crimes sexuais.

Medidas protetivas

A proposta permite que a vítima solicite quaisquer medidas protetivas de urgência por meios dos dispositivos de comunicação de atendimento on-line. Previstas na Lei Maria da Penha, as medidas protetivas são um conjunto de imposições ao agressor com o objetivo de garantir a integridade da vítima.

As medidas protetivas já em vigor serão automaticamente prorrogadas e vigorarão durante a declaração de estado de emergência de caráter humanitário e sanitário em território nacional. O juiz competente providenciará a intimação do ofensor, que poderá ser realizada por meios eletrônicos, cientificando-o da prorrogação da medida protetiva.

Íntegra da proposta: PL 1291/2020



Fonte: Facebook da deputada com informações da Agência Câmara 




Provérbios LIBERAR O CMOMÉRCIO DE ARMAS DE FOGO

 
   
 
 
 
 
<
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados
Tel.: - (61) 32029922
SHS Quadra 06 Bloco "A" Conjunto "A" Sala 903
Centro Empresarial Brasil 21 Asa Sul - CEP: 70316-102 Brasília - DF
 
       
© - 2019 www.partidoliberal.org.br - Todos os direitos reservados

Site e Conteúdos Desenvolvidos, Produzidos e sob Responsabilidade da LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing
Tel.: (61) 3202-9922
SHIN CA 09 Lt. 16 Sala 115 -  Edf. Greeen Hills
Lago Norte - CEP: 71503-509
TV-PR: Tiririca está entre os 10 melhores deputados segundo pesquisa
TV-PL: Líder Liberal rechaça tese do "toma lá dá ca" em entrevista 
Manual de Prestação de Contas da Campanha eleitoral de 2018
Nova Presidente do PL Mulher
Presidente do Partido Liberal, Tadeu Candelária (PL-SP)
Veja aqui todos os nossos vídeos e nossas reportagens

Secretaria de Comunicação do Partido Liberal
Deputados Federais do Partido Liberal da 56ª Legislatura
Senadores do Partido Liberal Veja todas Notícias no Facebook Veja nossos Vídeos no Youtube
  <area shape= Veja nossos Vídeos no Youtube Veja nossos Vídeos no Youtube veja as notícias no Twitter
veja as notícias no Instagram